Saiba Como a Música Ajudou a Dependência Química de Tim Maia

dependência química
Compartilhe!

Antes de mais nada, ligue sua caixa de som para ouvir os discos Tim Maia RACIONAL Vol. 1 e 2 aqui no blog. Dito isso, todos já ouviram falar do grande disco Tim Maia Racional. O antológico disco, com seus arranjos e a voz do cantor em sua melhor fase, livre das drogas e álcool, já estava com toda a parte instrumental praticamente pronta pela gravadora RCA quando Tim conheceu a Cultura Racional. Todos conheciam a dependência química, o uso de bebidas e drogas pelo cantor. Enquanto fazia as músicas sobre os Livros Universo em Desencanto, “Tim era uma outra pessoa, estava ótimo, nunca vi ele tão bem, com saúde”, contou a amiga e cantora Sandra de Sá em recente  entrevista para um especial da TV Globo sobre Tim. E, de fato, havia mudado radicalmente.

Mas assim como uma árvore que cresceu demais, e que não tinha as raízes para manter-se firme e equilibrada no chão, pouco tempo depois de gravar os famosos discos, parou de ler a Cultura Racional. Daí para começar a dar ácidas entrevistas falando mal do Livro e dos discos Tim Maia Racional Vol. 1 e 2 foi um pulo. Na verdade, Tim mandou recolher todas as cópias que haviam sido lançadas do disco. Neste texto vamos falar deste grande artista da música soul brasileira e de suas lindas canções que até hoje divulgam a Cultura Racional dos Livros Universo em Desencanto. Caso você tenha alguma dúvida, deixe sua opinião que responderemos assim que possível.

Dependência Química Tem Solução na Cultura Racional

dependência químicaTodas as drogas são feitas pela natureza para ligar o ser humano aos seres invisíveis que nos rodeiam. Tiveram seu auge na fase de selvagens, onde as tribos primitivas, indígenas e outros povos ao redor do mundo, conectavam-se às suas divindades e recebiam conselhos, bons e maus. Usar estas substâncias, naquele tempo, não significava desenvolver uma dependência química. Mais recentemente, o cantor Robert Marley usava a maconha para se conectar espiritualmente à divindade Jah, da religião Rastafari.

Mas desde que houve a mudança de fase na natureza, a fase de selvagens há muito acabou. E as entidades espirituais, originárias do Astral Superior e Inferior, receberam ordem para subir, para terminar sua missão espiritual. e ficaram na Terra somente os animais, vegetais e minerais e os habitantes do vácuo, que são seres invisíveis gerados pelo eixo magnético da Terra. Não são os verdadeiros espíritos que, com a mudança de fase da natureza, subiram. Estes habitantes do vácuo são feitos da essência do magnetismo, da energia magnética. E por isso, causam desequilíbrio, doenças, agonias, tristezas e espalham somente males na vida de quem se mete com eles.

Como são espíritos materialistas, irradiam suas comunicações na cabeça dos pensadores, transmitindo discórdia e contrariedades. E a dependência química é apenas uma face da missão destes seres, que é lapidar a humanidade pois todos vivem num mundo que não é o verdadeiro mundo de origem de todos. A missão destes seres é fazer o mal sem ver a quem. E fazendo isso, os seres humanos vão entender, pela dor, que a vida de matéria é uma mentira pois é passageira e por si mesma se destrói. Então, para se livrar da influência destes seres e da dependência química, o ser humano deve se conectar à energia Racional, que tem poderes para resolver tudo que é de sua origem. Pois se somos animais Racionais, nossa origem é Racional, pois não há efeito sem causa. E foi isso que Tim Maia fez na conhecida Fase Racional de Tim.

Conheça Sebastião Rodrigues Maia: Tim Maia

dependência químicaNo início da década de 1970, a música popular brasileira estava alta em matéria de criatividade e popularidade. E Tim Maia era a personificação do excesso de estrela de rock, tendo vivido por cinco casamentos e pelo menos seis filhos, várias penas de prisão, hábitos de drogas  e dependência química e uma curta temporada na Cultura Racional dos Livros Universo em Desencanto.

Sebastião Rodrigues Maia nasceu na Tijuca, Rio de Janeiro, em 28 de setembro de 1942 em uma família de 19 irmãos. Aos seis de idade oferecia comida caseira preparada por sua mãe, Maria Imaculada Maia. Tim aprendeu a tocar guitarra quando era criança e tinha 15 anos e formou sua primeira banda, The Sputniks. Então colega de bairro de Tim, o consagrado Roberto Carlos fazia parte da banda. Em 1957, com 17 anos, o cantor foi para os Estados Unidos: saiu de casa com doze reais no bolso e nenhum conhecimento de inglês. Ele adotou o nome de ‘Jimmy’ e mentiu para as autoridades de imigração, dizendo que era um estudante.

Vivendo com primos distantes em Tarrytown, Nova Iorque, trabalhou biscates e cometeu pequenos crimes. Tendo um ouvido prodigioso rapidamente aprendeu a falar, cantar e escrever canções em inglês. Ele formou um pequeno grupo vocal chamado “The Ideais” e até gravou a música “Novo amor”. Tim foi preso em Daytona, na Flórida por fumar maconha em um carro roubado e cumpriu seis meses de prisão e foi deportado em seguida. De volta ao Brasil, Tim estava completamente fora de sincronia com o modo predominante de MPB e Tropicália.

Elis Regina se Apaixona por “Essas são as Músicas”

dependência químicaA música de Tim tinha sido lançada e Elis convidou-o para cantar um dueto em português e inglês. Essa estréia forçou as pessoas a tomar conhecimento do desconhecido cantor e compositor com uma grande voz. Em 1970 seu primeiro álbum passou 24 semanas nas paradas, começando um novo capítulo na música brasileira.

O produtor e amigo Nelson Motta via em Tim algo absolutamente novo. “Até então, a música brasileira foi dividida em nacionalista Tropicalia MPB e rock internacional. Tim Maia mudou o jogo, apresentando a moderna música negra dos Estados Unidos, a música pop nacional, ligando funk e baião, trazendo a alma mais perto de bossa nova e janelas de abertura e portas para novas formas de música que foram não tropicalista, nem MPB, nem rock’ n roll: eles eram essencialmente brasileiros. Eles eram Tim Maia.”

Tim não era o primeiro artista brasileiro sob a influência da música negra norte-americana: Wilson Simonal e Jorge Ben experimentaram e sintetizaram diferentes ritmos de soul e funk em seus estilos. Mas Tim foi o primeira a completamente inverter a equação, abraçando a alma e funk música incondicionalmente.

A Fase Racional de Tim: Que Beleza!

dependência químicaEm 1974, quando conheceu a Cultura Racional, Tim estava terminando seu quinto álbum solo, com o que mais tarde se tornaria conhecida como a Banda Vitória Régia — banda que iria estar com ele o resto de sua vida, quase. Assim que começou a ler o Livro Universo em Desencanto, largou a dependência química, usava somente roupas brancas, raspou o cabelo, largou álcool, drogas e carne vermelha e sempre manteve o livro na mão.

E como a Philips, gravadora que tinha contrato com ele, não tinha interesse nas pouco comerciais canções Racionais, Tim começou o primeiro selo independente da música no Brasil, chamado Seroma, que significa a abreviação de seu nome: Sebastião Rodrigues Maia.

Como tinha parado de fumar e beber,sua voz nunca tinha sido tão limpa e forte e seu canto nos álbuns TIM MAIA RACIONAL Vol. 1 e 2 é incomparável. Apesar das rádios da época terem se recusado a tocar os álbuns, hoje os discos podem encontrados por cem euros em sebos na Europa. Mas quando desencantou-se da Cultura Racional, Tim ordenou a destruição de todas as gravações do lendário álbum e proibiu que qualquer artista gravasse suas músicas. Ele falou mal da Cultura na televisão e nos jornais.

Quatro meses antes de sua morte, a seu próprio custo, ele fez um show caótico em um salão de hotel em Miami. Em seguida, filmou uma fabulosa viagem de Miami para Nova Iorque, passando por todos os lugares que havia visitado 40 anos antes, conversando com as pessoas ao longo do caminho. Este era Tim, um dos maiores artistas de todos os tempos. E como estudante de Cultura Racional, gostaria de usar este espaço para dizer apenas uma coisa: obrigado Tim.

Leia o Artigo Principal



Sobre 

Luiz é estudante de Cultura Racional dos Livros Universo em Desencanto, jornalista e rapper. Ouça nosso rap e baixe gratuitamente no Soundclod: https://soundcloud.com/filhosdoracionalsuperior

    Find more about me on:
  • facebook
  • youtube

Compartilhe!

2 thoughts on “Saiba Como a Música Ajudou a Dependência Química de Tim Maia

  1. Ricardo

    Saudoso Tim, obrigado pela imensa divulgação.

    Belo artigo Luiz, parabéns!

Comments are closed.