Lembrar da calma é como lembrar de respirar

Compartilhe!

Por Luiz Rodrigues

A calma se transformou em muralha e alimentação da mente, nossa fortaleza interior.

Lembrar da calma é como lembrar de respirar.

Elas estão ali, conosco, o tempo todo, bastando prestar atenção a elas para sentir o estado de paz interior.

Então, a respiração está para o corpo assim como a luz está para o ser interior, o Habitante do Mundo Racional, o Brilhante.

Assim, se a pressa é do Magnético, a calma é do Racional Superior. Conservar, permanecer, mentalizar a calma é sim sentir a plenitude da poderosa presença de Deus, o Racional Superior, dentro do Eu, que é a casa do fluido.

E para manter a casa do fluido limpa, positividade, abrindo as janelas da visão e audição para, a partir da calma, perceber a luz branca brilhante em forma de alcandoradas orientações Racionais transmitidas dia e noite, noite e dia.

Para proteger o Eu é a calma.

Ficou nervoso, percebe, analisa e volta à calma. Voltar à origem é um estado de ser interior, pleno que acontece a cada momento, a cada respiração.

Buscar a calma é dizer: Eu sou Racional, e sou luz Racional, eu me alimento de calma, amor, fraternidade, tolerância, compreensão, perdão, respeito e aceitação.

Sendo a calma a fortaleza do Eu. Com calma tudo, sem calma nada.


Compartilhe!

Luiz Racional

Luiz Rodrigues é jornalista e estudante de Cultura Racional | Livros Universo em Desencanto. Ouça o rap do Filhos do Racional Superior no Spotify: https://spoti.fi/37CbpwL Acesse o site oficial da Cultura Racional: http://bit.ly/38IBZWo

Você pode gostar...