Saiba Como os Hinduístas Tentam Encontrar Deus

krishna tocando música no céu
Compartilhe!

Outro dia estava andando aqui por Botafogo, bairro onde moro no Rio de Janeiro, e bem em frente ao Praia Shopping um rapaz com uma túnica rosa, cabeça raspada e um ponto de tinta vermelha no meio da testa me parou. Boa noite, você já conhece Bagavadguitá? Não. É este livro — me mostrou um pequeno livro — escrito há cinco mil anos por Deus. Que Deus, perguntei. Krishna. Interessante, pois eu sempre quis encontrar Deus. Neste texto vamos falar desta cultura importante para a evolução de milhões de indianos que crescem espiritualmente com a terceira maior religião do mundo, o hinduísmo, que fica atrás somente do cristianismo e do islamismo. Caso você tenha alguma dúvida, deixe sua opinião no final que responderemos assim que possível.

Será Possível Encontrar Deus Pelo Caminho do Dharma?

Lembro de ter falado para aquele rapaz. Meu amigo, a natureza mudou de fase. Não estamos mais nesta fase da regência apenas do sol e da lei de causa e efeito, a energia elétrica e magnética. E ele ficou me olhando em silêncio sem entender muito bem o que dizia.
Para aquele homem e os hindus em geral, a palavra darma significa a lei natural, ou a realidade. Mas é do seu conceito energético, ou espiritual, que gostaria de falar agora. O darma é o chamado caminho para a verdade superior. Afinal de contas, tudo que existiu até hoje, que foi criado pelo pensamento e a imaginação, teve um motivo. Qual? A lapidação da humanidade.
A humanidade buscava compreender o cosmo e o espiritismo ajudava, e ainda ajuda bastante a entender a forças ocultas que governam os destinos de povos e raças desde os primórdios até hoje em dia. E entender esta força suprema a tudo e todos, que nós denominamos Deus, o caminho do darma foi, e ainda é para muitas pessoas, muito importante. Afinal, o objetivo da vida é o transcendental, e não comprar mais e mais objetos materiais.
Este caminho requer disciplina, virtude e bondade. Na índia, este caminho significa ter uma conduta justa e nobre. As diferenças entre a bíblia para os diferentes povos não deveria fazer os seres humanos agirem diferente e, com isso, evitar que seus adeptos desviem do princípio do chamado caminho do darma, que é a retidão e a justiça sobre todos os pontos de vista. O budista pratica o Buddha-darma, o hinduísta pratica o Sanatana-dharma, e assim por diante.
De maneira geral, os hinduístas tem uma percepção ampla da realidade energética que nos cerca e seu conceito de Deus passa necessariamente por esta noção. Mas há mais coisas entre o Sol e a Terra que eles ainda não alcançaram.

Um Antigo Deus Cósmico

Com relação a Deus, os hindus acreditam numa alma, numa supremacia espiritual de origem cósmica. E este ser supremo aparece sob as mais variadas formas através de uma dezena de divindades. Independente do nome, a noção de uma força suprema a tudo a e todos está correta.
O que não se deve alimentar é a ideia do livre arbítrio. Vou explicar melhor. Não há como conceber que uma força suprema, transcendental, superior a tudo e a todos fosse fazer seres sofredores e mortais. Será que esta energia suprema que deu causa a tudo que existe teve a intenção de criar este universo fora da natureza divina, deformado, poluído e enfraquecido? Será que um ser poderoso, milagroso, habitante de uma realidade energética pura, limpa e perfeita teria usado sua vontade suprema para criar seres materiais que se não tomarem banho ficam, naturalmente, imundos e sujos?
O hinduísmo, diferentemente do cristianismo e do islamismo, tem na tolerância às diferenças um de seus pilares. Afinal, acreditam, de maneira assertiva, que Deus está em todos os lugares e em todos os seres. De fato, esta força suprema, o Verdadeiro Deus, está presente em todos os seres, animais, vegetais e minerais e todos os caminhos que buscam o transcendental levam somente a uma direção. Levam somente à origem. Pois a origem, independente de palavras dos tolos ou do silêncio dos sábios, é o ponto supremo de tudo e todos. Negar a existência de Deus, negar a origem, significa negar a própria existência.
Ah, é claro, já ia me esquecendo daquele rapaz do início do texto. Ele seguiu seu caminho e eu segui o meu e é assim que tem que ser. Pois a natureza coloca os seus filhos em seus lugares, naturalmente.
Leia o Artigo Principal

Sobre 

Luiz é estudante de Cultura Racional dos Livros Universo em Desencanto, jornalista e rapper. Ouça nosso rap e baixe gratuitamente no Soundclod: https://soundcloud.com/filhosdoracionalsuperior

    Find more about me on:
  • facebook
  • youtube

Compartilhe!