“A Arte do Sonhar” e a Feitiçaria Mística dos Índios Mexicanos

Compartilhe!

Pretendo falar neste post do livro “A Arte do Sonhar”, escrito no século passado pelo antropólogo Carlos Castaneda. Nascido em 1925 em Peru, Castaneda escreveu um total de 15 livros que venderam oito milhões de cópias em todo o mundo e foram publicadas em 17 línguas diferentes.
Neste livro, Castaneda descreve os ensinamentos de Don Juan, um feiticeiro Yaqui e xamã do México. Suas obras ajudaram a definir a década de 1960 e inaugurar o movimento da nova era.Mesmo depois de sua morte misteriosa em Califórnia em 1998, seus livros continuam a inspirar e influenciar seus muitos fãs dedicados.
No caminho de evolução espiritual que vamos seguindo, a Natureza nos concede diversos esclarecimentos. E o conhecimento descrito neste livro “A Arte do Sonhar” me ajudou a entender que este mundo material é apenas uma breve passagem que fazemos em busca de algo maior.
Por isso, selecionei abaixo alguns trechos deste livro que podem ajudar a inspirar você a conhecer mais dos mistérios da natureza invisível que nos cerca.

“Feitiçaria é o ato de que incorporam algumas premissas…

a arte do sonhar carlos castaneda “…teóricas e práticas especializadas sobre a natureza e o papel da percepção na moldagem do universo que nos cerca.
Nosso mundo é apenas uma camada entre outros mundos consecutivos, dispostos como as camadas de uma cebola.
Mesmo que nós fomos condicionados energeticamente a perceber apenas o nosso mundo, nós ainda temos a capacidade de entrar noutros reinos, que são tão reais, únicos, absolutos que engolem nosso mundo como é.
Para nós percebermos esses outros reinos, não temos que desejá-los, mas precisamos ter energia suficiente para aproveitá-los.
Sua existência é constante e independente da nossa consciência, mas sua inacessibilidade é inteiramente uma conseqüência de nosso condicionamento energético.
Em outras palavras, simplesmente e unicamente por causa desse condicionamentosomos obrigados a assumir que o mundo da vida cotidiana é o único mundo possível.
Acreditando que nosso condicionamento energético é corrigível, os feiticeiros dos tempos antigos desenvolveram um conjunto de práticas projetadas para recondicionar nossas capacidades energéticas para perceber. Eles chamaram este conjunto de práticas a arte de sonhar. É a porta de entrada para o infinito.

Através dos sonhos podemos perceber outros mundos…


…que
certamente podemos descrever, mas nós não podemos descrever o que nos faz percebê-los. Ainda podemos sentir como sonhar abre os outros reinos.
Sonhar parece ser uma sensação..–um processo em nossos corpos, uma tomada de consciência em nossas mentes. (…) A psique humana é infinitamente mais complexa do que nosso pensamento mundano ou acadêmico nos levou a acreditar. E a segunda atenção é uma configuração energética da consciência.

 

Para apreciar a posição de sonhadores e sonhar, é preciso entender a luta dos feiticeiros de modernos para orientarfeitiçaria longe da concretude.

Concretude é a parte prática da feitiçaria. A fixação obsessiva da mente em práticas e técnicas. E a influência indevida sobre as pessoas.
O oposto é a busca pela liberdade, liberdade de perceber, sem obsessões, tudo o que é humanamente possível. Os atuais feiticeiros procuram o oposto da concretude porque eles procuram liberdade.
Eles não têm interesse em ganhos concretosApós o treinamento e disciplina ao longo da vida, feiticeiros adquirem a capacidade de perceber a essência das coisas.

Perceber que a essência energética das coisas significa que você perceber a energia diretamente.

carlos castaneda a arte do sonharSeparando a parte social da percepção, você vai perceber a essência de tudo. Tudo o que nós estamos percebendo é energia, mas uma vez que não podemos observar diretamente energia, processamos a nossa percepção para que se adapte a um molde.
Este molde é a parte social da percepção que devemos separar da percepção.
Você tem que separálo porque deliberadamente reduz o escopo do que pode ser percebido e faznos acreditar que molde no qual encaixamos a nossa percepção é tudo que existe.
Para o homem sobreviver, sua percepção deve mudar em sua base social.
Esta base social da percepção é a certeza de física de que o mundo é feito de objetos concretos. Eu chamo a isso uma base social, porque é um esforço sério e feroz que é feito para nos guiar a perceber o mundo como nós acreditamos que seja.
Tudo é energia. Todo o universo é energia.

A base social da nossa percepção deve ser a certeza de física de que energia é tudo que existe. Deve ser feito um esforço poderoso para nos guiar para perceber a energia como energia. Então, teríamos duas alternativas ao nosso alcance.

 

Eu vou te ensinar uma nova maneira de perceber, em primeiro lugar, por fazerte perceber que processamos nossa percepção para que se adapte a um molde e, segundo, orientando-o ferozmente para perceber a energia diretamente. (…)
Nossa armadilha no processamento da percepção para caber um molde social perde o seu poder quando percebemos que aceitamos este molde como herança de nossos antepassados, sem se preocupar em examinálo.
Para perceber um mundo de objetos duros que tinha um positivo ou um negativo valor deve ter sido absolutamente necessário para a sobrevivência dos nossos antepassados. Após séculos de perceber desta forma, somos agora obrigados acreditar que o mundo é feito de objetos.”
Texto traduzido do site http://www.prismagems.com/castaneda/donjuan9.html

Sobre 

Luiz é estudante de Cultura Racional dos Livros Universo em Desencanto, jornalista e rapper. Ouça nosso rap e baixe gratuitamente no Soundclod: https://soundcloud.com/filhosdoracionalsuperior

    Find more about me on:
  • facebook
  • youtube

Compartilhe!

Gostou do texto?

Powered by Facebook Comments